Revoluções pós-pandemia…

20191208_181506_0000

Sim, eu sei, você não aguenta mais ler textos sobre como será a vida pós-pandemia, não é? Afinal, ninguém realmente sabe o que irá mudar, qual será o nosso novo normal. Eu tampouco, mas não resisto a fazer algumas especulações a respeito.

Imagino, por exemplo, que alguns donos de restaurantes desistam de seus negócios ao perceberem que ganham mais – além de terem custos e preocupações infinitamente menores – divulgando suas receitas no Instagram. Talvez chefes de escritórios de consultoria, telemarketing, informática e até advocacia optem por incentivar muitos de seus colaboradores a trabalharem em casa. Escolas de idiomas certamente se verão forçadas a abrir aulas online para atender à demanda daqueles que se adaptaram muito bem ao sistema emergencial adotado hoje. Redatores e jornalistas também poderão perfeitamente continuar escrevendo suas matérias do conforto de suas casas. E até sessões de psicanálise poderão ser feitas à distância na maioria das vezes.

As possibilidades são muitas. As certezas, pouquíssimas.

A única certeza que eu tenho é de que haverá uma revolução na escrita brasileira. Na verdade, essa revolução não é consequência direta da pandemia, mas certamente foi antecipada em virtude de suas repercussões.

Repare, não há um único texto escrito hoje cuja mensagem esteja realmente clara a todos. Alguns escritores imputavam esse fato à falta de instrução do nosso povo, ao péssimo ensino público do nosso país. Mas essa possibilidade foi descartada quando se constatou que, entre os que apresentavam a maior incapacidade de compreensão, estavam justamente os mais instruídos. Aqueles que frequentaram as melhores escolas, que se graduaram e que sempre tiveram acesso a uma vasta cultura. Se pessoas tão esclarecidas não conseguem interpretar artigos corriqueiros, certamente a responsabilidade está nas mãos dos autores, não dos leitores. Não há outro caminho, os textos têm que evoluir.

O grau de adaptação a que os novos textos deverão ser submetidos é a grande incógnita do momento. A equipe de especialistas que se debruça diuturnamente sobre o assunto lançará em breve um app que auxilie os leitores a interpretarem textos de forma correta. Basta que o usuário clique na frase mal compreendida para que uma nova janela se abra com longas listas de explanações.

Os especialistas cogitam, inclusive, a possibilidade da contratação de artistas plásticos para que desenhos artísticos ou esquemáticos venham a facilitar a compreensão dos leitores, digamos, menos privilegiados intelectualmente.

Diante do grande sucesso verificado em uma recente reunião ministerial, já se fala também em uma função opcional que transforma expressões sofisticadas em palavrões, bem mais fáceis de serem absorvidos e compreendidos por boa parte do público. Naturalmente, essa função mais avançada do app deverá ser paga à parte.

Cada autor será responsável por fazer as observações que considerar convenientes em suas obras. Assim, textos meus com críticas ao Bolsonaro, por exemplo, terão avisos do tipo:

“não, o autor deste texto não é comunista”;
“não, o autor deste texto não quer de volta as roubalheiras do PT”;
“não, o autor deste texto não acha que apontar os erros do governo vai fazer a esquerda voltar ao poder”;
“não, o autor deste texto não é contra a cloroquina. Ele só é contra um presidente exigir a liberação de um medicamento que não foi aprovado pela sociedade médica de nenhum país do mundo”;
“não, o autor deste texto não vai assinar um documento afirmando que, se contaminado, não aceita ser tratado com cloroquina porque quem define formas de tratamento são os médicos”;
“não, o autor deste texto não vê motivos para moderar seu linguajar pois nunca o fez nos tempos em que o PT estava no governo”;
“sim, o autor deste texto acha no mínimo estranho que o leitor demonstre indignação com ofensas ao presidente depois de aplaudir cada palavra dita na reunião ministerial”;
além de outros mais específicos aos contextos.

A equipe de especialistas promete não parar por aí. A segunda geração do app trará uma função muito mais refinada: o detector de ironias. Mas não se empolgue, em um país como o Brasil, tem que ser um passo de cada vez…

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Uma reunião do caralho…

images.jpeg-3

Porra, Jair, que reunião do caralho!

Foi exatamente pra isso que eu votei em ti. O Brasil precisava de um cabra macho, que bate na mesa, que mostra quem é o pica grossa do pedaço. Tu deixou a esquerdalhada toda sem rumo. Tomei todas pra comemorar. Tu é foda, Jair.

Só acho que tu não precisava ter disfarçado a questão da PF. Tu tinha que ter mandado o estrume do Moro te obedecer naquela hora, na frente de todo mundo. O povo tá contigo, Jair. Tu não vê que a gente aplaude até quando teu governo fala em prender os bandidos do STF? Pois é, além de colocar aqueles bostas de toga pra correr, tu tinha mesmo é que trocar diretor geral, regional, delegado, a porra da PF toda se fosse preciso.

É tu que manda nesta merda, Jair!

Vai deixar esses bostas perseguirem tua família? Quem eles pensam que são pra falar de rachadinha, de laranja. Laranja é o caralho. Manda os filhos da puta irem atrás da família do Lula, da refinaria da Dilma, do BNDES e do Adélio. Cambada de vagabundos.

Outra coisa, Jair. Acho que tu perdeu tempo pra caralho falando de pandemia. Porra, pra que deixar o bosta do ministro falar por dez minutos com tanta coisa mais importante acontecendo? Todo mundo sabe que só morre velho e doente dessa merda. Todo mundo sabe que o tal do pico da curva já passou. Não fica dando audiência pra esse vírus chinês, deixa isso por conta da Globolixo. Tu já deu cloroquina pros velhos todos, querem mais o que? Além do mais, todo mundo sabe que tudo isso não passa de uma armação comunista. Quanto menos tu falar dessa merda, melhor. Vai por mim.

Agora, tu tem que continuar batendo firme nos governadores. Aqueles filhos da puta que querem acabar com a economia dos estados, falir todas as empresas que pagam impostos, deixar todos os eleitores deles desempregados. E tudo isso pra quê? Só pra te fuder, Jair. Não sei como ainda tem gente que não percebeu isso. Os caras querem implantar o comunismo nas suas barbas. Dá um jeito do povo voltar a trabalhar nem que seja na marra, Jair. Senão tu tá fudido.

Tu tem mesmo é que colocar uma arma na mão de cada cidadão de bem deste país. Aí eu quero ver esses palhaços virem com decreto pra ficar em casa, pra prender gente que tá na rua com a galera. Cadê a nossa liberdade, porra? Semana passada fui na farmácia e o bosta do caixa não me atendeu enquanto eu não coloquei a porra da máscara. Queria ver se ele ia continuar com essa valentia toda se tivesse com o cano de um três-oitão encostado nos cornos dele. Só assim pra essa gente entender o que é democracia.

A extrema imprensa não vai te deixar em paz, Jair. Não dá mais munição pra eles. Não passa informação, não divulga mais porra nenhuma. Eles que se virem com as notícias pra lá. Eles só inventam mesmo. Acaba com a concessão desses bostas e põe o Terça Livre como canal aberto. O povão precisa conhecer jornalismo de verdade. Lembra da frase daquele filósofo: “me dá o controle da mídia e farei de qualquer país um rebanho de porcos”. Não sei quem falou mas só pode ser coisa do Olavão. O cara é foda.

Por último, Jair, fala pros milicos do teu lado ficarem espertos. Se eles não entrarem na jogada, os filhos da puta do congresso e do STF não vão te deixar governar. Parece que só o Augusto Heleno tem culhão pra mandar o cabo e o soldado fazerem o que precisa ser feito. Mas o resto tem que ir na dele, porra. Eles estão com medo de que? Passou da hora de uma intervenção militar pra acabar com essa safadeza. A gente tá aqui fazendo a nossa parte, mandando enfermeiro cheio de mimimi de volta pro hospital, pondo repórter esquerdista pra correr. Fizemos acampamento, passeata, carreata, pedido de AI5 e até agora nada? Não tem como ser mais claro, porra.

Vou ficando por aqui, Jair. Tu provou de vez que é o cara. Já tá reeleito. Deus e o povo estão contigo. Não liga pros comunistas que batem panela e muito menos pros isentões que também não passam de comunistas filhos da puta. Siga em frente com a verdade porque só a verdade vai libertar este país. Bom domingo, capitão!

PS: vi que tu já se acertou com o Centrão e com um monte de gente que não prestava lá atrás. Só tu mesmo pra fazer até bandido se regenerar. Cara, tu é mito pra caralho!

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Receitas mais ou menos médicas…

images.jpeg-1

No pronto-socorro…

- Um médico! Um médico, por favor!

- Calma senhora, qual é a urgência?

- Minha sogra caiu e está com o pulso inchado. Acho que pode ter torcido ou até fraturado.

- Tente se acalmar. Nossa equipe de ortopedia está entre as melhores da cidade. Sua sogra está no carro?

- Não, ela está em casa ainda.

- Ela está com dificuldades para andar? Podemos mandar uma ambulância buscá-la.

- Não precisa. Ela pode andar sim e eu mesma posso buscá-la. Mas preciso falar com o médico que vai atendê-la primeiro.

- Falar com ele agora? Quando a sua sogra estiver sendo atendida a senhora poderá acompanhar a consulta.

- Mas aí poderá ser tarde demais. Quero falar com ele antes disso.

- Ela sofre de alguma demência? Alguma alergia grave? Requer algum cuidado especial?

- Não, não é nada disso. Só preciso saber se o médico é de esquerda ou de direita.

- Desculpe-me, senhora. Acho que não entendi.

- Olha só, já fui a vários pronto-atendimentos ao longo do dia. E é sempre essa dificuldade. Qual é o problema de se querer saber qual é a orientação política do médico?

- Orientação política? A senhora enlouqueceu? Que importância tem isso? Eu lhe garanto que ele é competente. É isso que importa, não?

- Competência também é importante, mas a orientação política é muito mais.

- Como assim?

- Minha filha, médicos de esquerda deixam seus pacientes morrerem por falta de Cloroquina. Todo mundo sabe disso.

- Cloroquina? A sua sogra sofre de Malária? Está com sintomas de Covid? Achei que ela tivesse machucado o pulso.

- Sim, foi só o pulso mesmo. Mas, se o médico for de esquerda, ele vai interná-la, vai deixá-la morrer sem direito a Cloroquina e ainda vai colocar no laudo que a causa foi o vírus chinês só para aumentar as estatísticas. Não sou boba, minha filha. Sei como as coisas funcionam.

- Senhora, sua sogra não vai morrer. Ela muito provavelmente vai fazer um raio-x do pulso, ter o braço imobilizado ou engessado e voltar pra casa.

- Mas o médico vai receitar Cloroquina pra dor?

- Meu Deus, desde quando Cloroquina serve pra aliviar a dor? Que fixação é essa? Ele vai receitar um analgésico, um anti-inflamatório, e o que mais ele achar necessário. Mas essas são decisões que cabem exclusivamente a ele.

- Eu não trago a minha sogra aqui até que eu tenha certeza de que ele é a favor da Cloroquina.

- Minha senhora, ninguém é a favor ou contra um determinado medicamento. A única coisa que deve ser levada em conta é a sua eficácia. E, como eu disse, essa decisão cabe exclusivamente ao médico.

- Eu quero que minha sogra seja tratada com Cloroquina. Mal não vai fazer. Há dois meses nem precisava de receita pra compra.

- A senhora é médica?

- Não, sou advogada.

- E desde quando acha que tem competência para receitar medicamentos?

- Desde que o Brasil passou a sofrer uma ameaça comunista disfarçada de pandemia. Sou patriota, minha filha. Não vou deixar que meu país vire uma Venezuela. Vai chamar o médico ou não?

- Veja bem, se houvesse um motivo justificável, eu até poderia interromper a consulta do nosso ortopedista e chamá-lo para conversar com a senhora. Mas, pelas razões expostas, só me disponho a chamar um psiquiatra. E com direito a uma camisa de força.

- Já vi que você é de esquerda. Reconheço uma petralhazinha de longe. Não trago a minha sogra aqui de jeito nenhum. Passar bem!

- Só me esclareça antes uma pequena dúvida: quantos hospitais a senhora visitou até agora?

- Mais de dez.

- Nesta época e sem máscara? Bom, já que gosta tanto de Cloroquina, se eu fosse a senhora já começava a tomar uns comprimidos por conta própria.

- Tá louca, minha filha? Sou cardíaca…

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Siglas problemáticas…

images.jpeg

Há muitos anos, em uma escola militar de ensino fundamental…

- Jairzinho, não é possível. Outro zero?

- Como assim, professora? Eu fiz tudo certo.

- Certo? Você errou tudo. Um mês inteiro estudando as siglas e você não decorou nada.

- Eu sei todas, professora. Pode perguntar o que quiser, talquei?

- A prova você já zerou, mas vou lhe dar uma chance de mostrar que sabe alguma coisa. O que significa FGTS?

- Essa é fácil: é o Fundo de Garantia.

- A sigla toda, Jairzinho.

- No tocante a esse Fundo de Garantia daí, ele se refere aos Tenentes e Sargentos.

- Errado. É Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. Quer que eu continue?

- Claro, professora. Tô só esquentando.

- ONU.

- Outra muito fácil: Organização das Nações Unidas pelo comunismo.

- Errado. Que fixação é essa com comunismo, Jairzinho?

- Os comunistas é que adoram arrumar uma treta comigo, talquei? Pode mandar outra.

- UFMG.

- Universidade Federal dos Maconheiros e Gays.

- Tudo errado. E vou recomendar aos seus pais que o levem urgentemente a um psicólogo. Essas suas fixações estão a cada dia mais preocupantes.

- Manda mais uma sigla, professora. Agora eu vou acertar.

- Duvido, mas… IBAMA.

- Outra que todo mundo conhece: Índice de Brasileiros que Adoram um Mimimi Ambiental.

- Não vou nem comentar, Jairzinho. É melhor a gente parar por aqui.

- Não, professora. Só mais duas, por favor.

- Tá bem. Deixe-me pensar… EUA.

- Estados Unidos da América.

- Olha só. Essa você acertou. Menos mal. Não sabia que você se interessava por países.

- Países? Não, só pelos Estados Unidos mesmo. Sinto que ou eu ou alguém da minha família ainda vai fazer história por lá.

- Pelo que eu conheço de você, Jairzinho, só se for fritando hambúrguer.

- Pode zombar à vontade, professora. A senhora vai ver daqui a alguns anos, talquei? Vai lá, pergunta a última.

- PF.

- Puxa, essa é difícil. Prato Feito?

- Não.

- Ah, lembrei. É Polícia da Família.

- Não, Jairzinho. Nem essa você sabe? É Polícia Federal.

- Ué, não é tudo a mesma coisa?

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Dezenove anos de aplausos…

20200513_184545

Meu querido, você certamente não se lembra de quando eu o ensinava a bater palminhas para o seu primeiro aniversário, não é?

Eu me lembro…

Também me lembro da sua primeira gargalhada, dos seus primeiros passos inseguros e cambaleantes, da primeira palavra que você pronunciou: bola – sim, você já foi louco por bola uma vez na vida. Cada novo aprendizado seu sempre foi uma conquista, Arthur. E cada conquista sempre veio acompanhada de muitos sorrisos, de muita emoção e de uma imensa dose de gratidão.

Não sei quantas vezes me deitei ao seu lado enquanto você dormia. Lembro-me de afagar os seus cabelos dourados e descer os dedos acariciando as suas sobrancelhas. Você adorava que eu fizesse isso também antes de dormir. Muitas vezes você suspirava, e a cada suspiro eu agradecia por você existir. Agradecer é, até hoje, a primeira coisa que faço toda vez que o vejo sorrindo.

Sabe? É difícil acreditar que você tenha entrado na minha vida só há dezenove anos. Revejo fotos e lembranças anteriores ao seu nascimento e tenho a nítida sensação de que você sempre esteve comigo, me aguardando em algum lugar. Quem sabe em sonhos ou expectativas. Ou quem sabe naquela ansiedade que antecede um encontro que a gente pressente que está para ocorrer. Só sei que, de alguma forma, eu sempre estive à sua espera.

Você finalmente chegou naquela segunda-feira, 14 de maio de 2001 e, de repente, todas as minhas prioridades de então se tornaram irrelevantes. Poucas horas depois e o meu conceito de amor havia se transformado, assim como os meus objetivos, meus sonhos, minhas metas. Meu mundo era outro, e era muito melhor.

E você cresceu tão rápido, meu filho…

A cada dia, era como se eu me deparasse com alguém diferente. Mais maduro, mais seguro, mais independente. Você superou seus medos, suas inseguranças, suas dúvidas e foi em busca dos seus próprios caminhos. Suas precoces noções de ética, de honestidade e de justiça sempre me impressionaram. Assim como a sua capacidade de se colocar no lugar do outro.

E eu agradecia…

Agradecia à Vida, à sua mãe que sempre conseguiu ler o seu coração como ninguém, aos seus avós com os quais você adquiriu o prazer de sorver sabedoria e doçura, aos seus amigos que desde cedo perceberam o quanto você é único e especial e, mais tarde, ao seu irmão, que tem em você não apenas um exemplo, mas seu maior ídolo.

Você cresceu tanto, meu amor, que o mundo se tornou pequeno. Você voou em busca do seu grande sonho e descobriu vários outros. A sua generosidade e a sua capacidade de fazer amigos lhe trouxeram novos irmãos para a vida. A sua alma iluminada o guiou à sua outra metade. E vocês juntos passaram a brilhar ainda mais intensamente.

E você só tem dezenove anos…

Este é o primeiro aniversário em que não estamos juntos para os nossos muitos beijos e abraços. Estaria mentindo se dissesse que eles não me fazem falta. Fazem sim. Fazem muita. Mas ver você feliz, realizado, querido e amado por tanta gente, talvez transforme este no mais especial dos seus aniversários até agora. Porque este aniversário é todo seu, meu amor. Ele é o resultado das suas escolhas, da sua força, da sua determinação, da sua corajosa decisão de alçar voo.

E o seu voo está apenas começando…

Parabéns, Arthur! Que Deus ilumine e abençoe sempre os seus caminhos. Que você continue voando cada vez mais alto, e que todos os seus sonhos se realizem. Não apenas por você, mas porque seus sonhos fazem um enorme bem ao mundo. Eu estou aqui, pertinho, mesmo de longe. Continuo com minha mão sempre entrelaçada à sua, mesmo à distância. E acabo de perceber que, ao longo dos últimos dezenove anos, foi você quem sempre me ensinou a bater palmas. Meus aplausos são pra você, meu filho!

Te amo, te amo, te amo!

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Vícios na pandemia…

- Oi, meu nome é Glauco.

- Oi, Glauco.

- Eu estou há 72 horas sem assistir a uma live.

- Muito bem, Glauco!

- Estamos orgulhosos, Glauco!

- Parabéns, Glauco! Deve ter sido difícil, não é? Ontem teve Zeca, Ivete, o rei…

- Você tem certeza de que estudou psicologia? Quer que eu volte para aquela vida?

- De forma alguma. Só estou valorizando o seu esforço, Glauco. Eu sabia que podia confiar em você.

- Não foi fácil mesmo. Mas ontem eu consegui dormir a noite toda pela primeira vez em mais de um mês.

- Você assistia lives de madrugada também?

- Sim, era incontrolável. Conheço todos os artistas da Coreia do Sul, da Austrália, da Indonésia…

- Do Japão também?

- Nem me fale destes. Assistia e cantava sem parar. Meu filho já estava me chamando de Naruto. Minha vida estava virando um inferno.

- Conta pra gente como tudo começou.

- A primeira live a que eu assisti foi a do Bruno e Marrone. Eu fiquei empolgado que nem o Bruno e minha mulher ficava me encarando que nem o Marrone.

- Ela deve ter percebido o risco que você corria.

- Sim, na live da Marília Mendonça ela tentou desligar a internet mas eu saí de casa e roubei a senha do meu vizinho. Foi muito constrangedor.

- Meu Deus, essa falta de controle é muito séria. E como sua esposa está lidando com tudo isso agora?

- Não sei. Ela me deixou quando a live do Justin Bieber começou. Ali ela já não sabia mais quem eu era. Nem eu sabia… perdoe a emoção, tudo é muito triste.

- Você não tem do que se desculpar. Como ficou sua vida depois que a sua esposa o deixou?

- Ah, piorou ainda mais. Perdi o controle totalmente. Eu já não comia, não tomava banho, quebrei o telefone de raiva esperando pela atendente da banda larga, cheguei a agredir o técnico que demorou a consertar meu modem. E achava tudo isso normal. O vício vai corroendo a gente por dentro, sabe?

- E o que fez você decidir nos procurar?

- Fui experimentando drogas cada vez mais pesadas. Nem as lives do Mc Marcinho, da Jojô Todynho e da Ludmilla me satisfaziam mais. Mas só entendi que estava no fundo do poço quando assisti ao Dinho Ouro Preto cantando Bohemian Rhapsody na live do Capital Inicial. Ali eu vi que precisava de ajuda.

- Obrigado pelo seu relato. Foi muito inspirador. Espero que você consiga se manter sóbrio. Lembre-se de que se trata de um esforço diário.

- Sei disso. Mas estou muito confiante. Tenho tentado ocupar meu tempo com outras coisas.

- Que bom. Com o quê?

- Estou fazendo o curso online do Olavo de Carvalho.

- Aff… sabia que amanhã vai ter live do Molejo?

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

As mães da minha vida…

20200509_170512

Vivemos mais um dia histórico. O Dia das Mães de 2020 será lembrado pelo uso das máscaras. Hoje, não há como se interpretar os sorrisos, como se identificar o franzir dos lábios e até os discretos beicinhos de impaciência estarão encobertos. Há que se confiar apenas nos olhares.

Não que o uso de máscaras seja realmente uma novidade. A diferença agora está apenas em sua essência. As atuais são feitas de tecido. As de ontem primordialmente de hipocrisia e autocensura. Na verdade, as antigas máscaras eram muito mais desconfortáveis. Elas exigiam atenção constante para que não fossem reveladas, o que quase inevitavelmente acontecia à medida em que as taças se esvaziavam. A leitura dos olhos é bem mais difícil de ser feita e, por isso, inúmeras famílias certamente se sentirão mais à vontade quando se reunirem hoje às suas mesas.

Não é o caso da minha…

As mães da minha vida nunca usaram máscaras. Seus sorrisos sempre foram autênticos e espontâneos, suas insatisfações e desconfortos jamais deixaram de se manifestar, suas emoções sempre transbordaram sem restrições. Nem a máscara de hoje seria capaz de escondê-las.

Autênticas, honestas e sinceras como sempre foram, as mães da minha vida se completaram e se adoraram enquanto puderam conviver. Uma via na outra muito do que queria se tornar. Uma via na outra muito do que gostaria de ter sido. Suas diferenças foram sempre respeitadas, seus limites sempre obedecidos e nenhuma delas precisou lançar mão de máscaras para disfarçar dúvidas ou contrariedades. Assim, os abraços se mantiveram intensos e inteiros até o fim, assim como os olhares de carinho e admiração.

Hoje, tenho a exata noção do quanto meus filhos estão entre as pessoas mais privilegiadas deste mundo. Afinal, eles aprenderam com a avó que as máscaras de então, ao contrário das de hoje, não lhes trazem benefício algum. Eles aprendem diariamente com a mãe que nenhuma máscara é capaz de impedi-la de ler seus corações.

Quanto a mim, agradeço todos os dias à Vida pelo sorriso pleno que me acompanha a cada instante. O sorriso que prepara nossos filhos para as armadilhas que as máscaras do mundo teimam em esconder. Ao mesmo tempo, serei eternamente grato por aqueles lábios pródigos em transformar beijos em bálsamos, desde quando me aninhava e dormia em seus braços, até o dia em que fui eu que a beijei pela última vez.

Mães da minha Vida, sigo amando vocês mais a cada dia!

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Os cisnes rosados de Veneza…

FB_IMG_1588550992430

Eles vêm para tingir de carmim a superfície do canal,
Deixar enciumadas as cores do entardecer,
Interligar os canteiros de flores aos dos cursos d’água,
Motivar o sol a superar as proezas do amanhecer.
Ah, como são belos os cisnes rosados de Veneza…

As buzinas se misturam aos gritos e aos coros,
Agitam-se as bandeiras, na busca aflita por ar,
Como os rostos que abandonam suas máscaras,
Como as vozes que pedem que lhes venham calar.
Viva a ordem dos cisnes rosados de Veneza…

O ente onipresente é invocado a cada dia,
Seu nome repetido com fervor e devoção.
Não há hipocrisia que os faça abdicar
Da aliança entre o ente e os usurpadores da nação.
A lograda paz dos cisnes rosados de Veneza…

Eis que surge no horizonte o profeta anunciado,
Guia para o cego, voz para o quase lorpa.
Um toque infectante e a mancheia aclama
O mito que cospe tudo que o grei encorpa.
O cordato bando de cisnes rosados de Veneza…

Evidências descartadas, teorias são o novo grão,
Semeadas as discórdias, nutridas as desavenças.
De féretros pedregosos a amostras contaminadas,
Espalham-se delírios que atestem as suas crenças.
Palpáveis como os cisnes rosados de Veneza…

Pouco importa se a cor-de-rosa não lhes é viável.
Quem espera que nas águas fossem vistos seus reflexos?
Há apenas virtuosismo na uniformidade das posturas,
Pois nada há de macular tão arraigados complexos.
Confiem e creiam nos cisnes rosados de Veneza…

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Perfis enigmáticos…

images.jpeg-12

Quem gosta de jogar Perfil? Sabe aquele jogo em que cada participante tem 20 chances para identificar a que pessoa, objeto, lugar ou ano se referem as dicas? Nem sempre é fácil descobrir a resposta certa, mas tenho a impressão de que vai ficar ainda mais difícil daqui a alguns anos, quando o jogo tiver que ser atualizado. Então, vamos jogar?

Sou uma pessoa.

1) Fui eleito presidente do Brasil no segundo turno;

2) Tive uma militância numerosa e roboticamente ativa nas redes sociais;

3) Fiquei famoso pelos meus discursos populistas repletos de frases polêmicas;

4) Um renomado jurista de Curitiba fez de tudo para acabar com a minha carreira política;

5) Meus filhos foram investigados por corrupção;

6) Muita gente me abandonou ao longo do caminho. Chamei a todos de ingratos e traíras;

7) Apesar de passar décadas nos corredores do poder em Brasília, fui eleito com a promessa de fim da velha política;

8) Em algum momento do meu governo, Roberto Jefferson foi um aliado muito próximo;

9) Fiz críticas públicas e contundentes ao Centrão, mas sempre recorri a ele quando precisei;

10) Enalteci ditaduras e ditadores mas só uma parcela da sociedade me criticou por isso;

11) Fui chamado de honesto e autêntico quando manifestei minha completa ignorância sobre diversos assuntos;

12) Apoiei muitos impeachments na minha vida política, mas sempre chamei de golpe quando o alvo era o meu próprio governo;

13) Perca a sua vez;

14) Enfrentei uma pandemia e não dei a menor importância a ela;

15) Sempre afirmei que a Globo e a maioria da imprensa me odiava;

16) Meus adoradores fiéis aplaudiam tudo (tudo mesmo) que eu fazia;

17) Muita gente dizia que eu era um enviado de Deus. Sim, essa gente realmente acreditava nisso;

18) Meus defensores adoravam agredir meus detratores na rua, mas sempre juravam que tinham sido provocados primeiro;

19) Fiz absolutamente tudo o que estava ao meu alcance para aumentar a polarização da sociedade brasileira;

20) Volte 10 anos… ops, espaços.

E aí? Tá fácil?

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Tiros pela culatra…

20200427_222337

- Pelo amor de Deus, não vá repetir a merda que fez o seu antecessor, heim?

- Imagina, chefe. Sou estudante de publicidade. Jamais cometeria um erro tão básico.

- O outro também dizia que era professor de português. Agora deve estar pedindo emprego pra turma da Joice. Imagina quando ele tiver que escrever Hasselmann!

- Deve ter sido apenas uma pequena falta de atenção. Afinal, são milhares de disparos diferentes todos os dias.

- Essa “pequena” falta de atenção fez com que a gente chegasse ao topo dos Trending Topics com um nome errado.

- Eu vi. Todo mundo está comentando. Mas daqui a pouco ninguém se lembra mais disso.

- Como não se lembra? Todos os nossos perfis falsos poderão ser identificados e rastreados. Nem se todos eles tivessem nomes de robôs famosos do cinema, a coisa teria ficado tão evidente.

- Entendo. Mas pode ficar tranquilo. Acabei de conferir aqui: B O L S O N A R O. Sem nenhum L a mais.

- Beleza, pode disparar. Não esquece das maiúsculas em cada palavra. Vamos bater os cem mil agora.

- Deixa comigo…

#FexadoComBolsonaro

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário