A quarta vez…

20210717_082021

“É tetra, é tetra, é tetra!”

A frase repetida aos berros ao final da Copa do Mundo de 1994 eternizou a narração de Galvão Bueno. Naquele 17 de julho, em Los Angeles, a seleção brasileira conquistava seu quarto título. Eu estava lá, sentado (não, sentado não) atrás da baliza onde a disputa de pênaltis aconteceu. Um dia inesquecível…

Lembro-me de ter acordado bem cedo. Lembro-me, na verdade, de quase não ter dormido, ansioso pela iminente realização de dois sonhos: assistir a uma final de Copa e comemorar uma conquista brasileira.

Eu e meu irmão Marius chegamos com antecedência ao estádio, como fizéramos nos jogos diante de Holanda e Suécia. Agora enfrentaríamos a Itália e quem vencesse se tornaria o primeiro país a ganhar quatro vezes o título mundial. O calor causticante não era capaz de aquecer minhas mãos geladas. Logo atrás de nós, um jovem casal de italianos puxou papo em um inglês carregado:

– Vocês assistiram a todos os jogos do Brasil?
– Não – respondi – viemos para as três últimas partidas.
– Que sorte, não é?
– Depois deste jogo eu espero concordar com vocês – brinquei.
– Tomara que não – retrucou a moça, sorrindo.

Os times entraram em campo. Os jogadores do Brasil vinham, como sempre, de mãos dadas. “Que bobagem” – pensei, torcendo no íntimo para que ninguém largasse aquela corrente. Sabem como é, em time que está ganhando…

Começou a decisão e a tensão tomou conta de todos. O Brasil dominava, mas não conseguia aproveitar suas poucas oportunidades. Eram tempos de Carlos Alberto Parreira e o gol era só um detalhe. O problema é que eu sou muito detalhista.

No intervalo, a nossa amistosa conversa com os italianos recomeçou. Cenas de partidas históricas entre Brasil e Itália eram mostradas no telão, e desviei meu olhar para não reviver o trauma de 82.

– Aquela foi a melhor seleção brasileira que vi jogar – comentou a italiana ao perceber meu desconforto.
– Pra mim também – concordei – e a maior decepção que vivenciei no futebol.
– Nem sempre o melhor vence. É por isso que vamos ganhar hoje de novo.

A confiança dela me deixou irritado. “Sai pra lá, bambina de Mãe Dinah”. A imagem dos italianos comemorando o título veio como um pesadelo. Voltei minha atenção para o campo.

O segundo tempo repetiu o que fora o primeiro: domínio brasileiro, poucas chances de gol e dois insistentes zeros no placar. Veio a prorrogação e Romário chutou para fora a melhor oportunidade da partida. Aquilo não era comum. Seria um sinal? A italiana sorriu, cada vez mais confiante.

Não havia tempo para mais nada. Pela primeira vez, a Copa do Mundo seria decidida nos pênaltis. A Itália desperdiçou sua cobrança inicial e me deixou eufórico. Meu otimismo durou pouco e o Brasil também perdeu a sua. Os italianos vibraram. Os quatro chutes seguintes alcançaram as redes. O empate persistia.

A quarta cobrança italiana parou – assim como a minha lucidez – nas mãos de Taffarel. Olhei em volta e percebi medo nos olhos da italiana. Medo que se tornou pavor quando Dunga colocou o Brasil na frente. Baggio não poderia errar.

As lembranças dos momentos seguintes me vêm em câmera lenta. Cada passo de Baggio em direção à bola é como uma contagem regressiva que termina no êxtase. O alívio, o pranto e os abraços se sucederam.

O telão mostrava 3×2. O mesmo placar que me deixara arrasado em 1982 agora me fazia chorar de felicidade. Olhei para trás e me deparei com a italiana inconsolável. Meu coração balançou. Lembrei-me do sofrimento vivido 12 anos antes e me reconheci naquelas lágrimas. Então busquei o fundo de seus olhos e lhe disse:

“É tetra, é tetra, é tetra!”

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>