A República Corporativa do Brasil…

Corporações

Sempre considerei o outono a minha estação favorita. É a estação do bom gosto, como certa vez escrevi. O outono de 2020, entretanto, não deixará saudades. Talvez venha a ser lembrado como o trimestre que não vivemos. Certamente ficará marcado como o outono em que muitos deixaram de viver. O inverno brasileiro começou com mais de um milhão de casos de Covid-19 e mais de 50.000 mortos.

Um terço do ano se passou e não temos sequer um esboço de ações conjuntas de combate à pandemia. União, estados e municípios continuam agindo de forma descoordenada, cada qual respaldado apenas pelas suas próprias crenças – ou pior – pelas suas descrenças. Nesse outono, o país que deveria ser uma república federativa tornou-se oficialmente uma república corporativa. Poderes, entidades e movimentos lutam exclusivamente por seus próprios interesses e não dispomos de lideranças capazes de aglutinar objetivos e estratégias. Estamos à deriva.

A República Corporativa do Brasil não surgiu nos últimos três meses, é claro. O poder legislativo, por exemplo, funciona como uma corporação independente há décadas. Seus votos e apoios são historicamente condicionados aos cargos, às verbas, às contrapartidas. Eleição após eleição, os caciques do congresso se alternam na missão de impor suas condições aos governos. É o chamado poder “e o que eu levo com isso?”. Os interesses do país pouco importam.

O atual governo assumiu o executivo com a promessa de mudança desse histórico. Entretanto, ao invés de se estabelecer uma negociação saudável e legítima entre dois poderes interdependentes, optou-se pelo confronto. Optou-se pela simples demonização da política no momento em que uma nova postura se mostrava finalmente viável. Optou-se por transformar o executivo também em corporação, ainda mais fechada e restrita. Assim, multiplicaram-se medidas protecionistas concedidas a militares (as duas mais recentes em plena pandemia), nomeações e decisões puramente ideológicas e fundamentalistas, descartes sumários daqueles que ousaram divergir – mesmo que pontualmente – da vigente rigidez normativa. Agora, diante do desgaste que a inércia, o descaso e a irresponsabilidade frente ao maior desafio desde a Segunda Guerra provocaram, o executivo resolveu ceder ao corporativismo do legislativo. Como já sabíamos, promessas corporativas jamais resistem aos instintos de sobrevivência.

Por sua vez, progressivamente, o poder judiciário extrapolou suas funções e passou a legislar. Leis passaram a ser interpretadas de acordo com os interesses da ocasião com tamanha frequência que as decisões sucessivamente contraditórias deixaram de surpreender ou de causar indignação. O STF abdicou do seu papel de guardião da Constituição e assumiu o de polícia da sua própria corporação, apoderando-se do direito de censurar, de investigar, de acusar e de julgar casos em que ele próprio se coloca como vítima, numa evidente afronta ao Estado Democrático de Direito.

A sociedade civil aderiu à onda e se dividiu em diversas outras corporações. As duas mais barulhentas adotaram o formato de seita de fanáticos e elevaram seus respectivos líderes à categoria de deuses. Ambas consideram-se opostas mas guardam muito mais semelhanças do que diferenças. Assim, igualam-se na hipocrisia.

Outras menos turbulentas escolheram nomes mais palatáveis, inspiradas no politicamente correto. As corporações “lugar de fala” e “apropriação cultural”, por exemplo, conseguiram a proeza de invalidar opiniões e comportamentos sob a égide da diversidade e da liberdade. Uma incoerência, é claro, mas mascarar incoerências se tornou a especialidade das corporações brasileiras. Quem sabe um dia, quando a corporação das revisões históricas se tornar dominante, parte do que estamos vivendo deixará de nos parecer absurdo.

E assim, corporativamente decadente, segue a nossa República. Cada vez mais dividida, mais polarizada, mais alienada dentro de suas pequenas bolhas espalhadas pelo país. Não tenho dúvidas de que o inverno será testemunha de outras cenas de fanatismo, de contemporização de crimes, de cerceamento das liberdades, de afrontas à Constituição e, infelizmente, de muitas mortes absolutamente evitáveis.

Mas, tudo bem, não é? Ainda nos resta torcer para que não faça frio demais…

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>