Páreo duro…

E chegamos à grande final do concurso “Vergonha Alheia Brasil 2019″. A partir de hoje você vai nos ajudar a eleger a declaração mais infeliz do ano até agora. A disputa está mais acirrada do que nunca. Poucas vezes conseguimos reunir tanta gente competente e criativa capaz de se destacar nos quesitos “isso é sério?”, “não é possível que ele disse isso”, “claro que é piada”, “meu Deus do céu” e o cobiçado “puta que pariu!”.

Ao longo das últimas semanas, nossos jurados trabalharam incessantemente na seleção dos finalistas, tamanha a profusão de asneiras repetidas diariamente por celebridades, jornalistas e pelos nossos representantes de todas as esferas. Exatamente em função dessa enorme quantidade de mer…, quero dizer, de material a ser analisado, excepcionalmente nesta edição foram escolhidos dez competidores que serão submetidos agora a voto popular.

E aqui estão os escolhidos:

1) Olavo de Carvalho – a declaração que garantiu a presença do filósofo na final foi proferida ontem: “Vou investigar, mas me parece verdadeiro pelo contexto: os Beatles eram semi-analfabetos em música. Não sabiam nem tocar violão. Quem compôs as canções foi o Theodor Adorno (fundador da Escola de Frankfurt)”. E acrescentou: “Você tem ideia da porcaria que os Beatles fizeram com o mundo? Os Beatles e outros conjuntos. Todos eles têm ao menos uma canção de celebração do satanás. É satanismo explícito”. Pelo visto o gurú da família Bolsonaro vem com fome de vitória. Entretanto, fosse esta uma competição de palavrões e o troféu já seria dele.

2) Anitta – a funkeira mais famosa do país entra na disputa com a divulgação de um vídeo em que afirma, entre outras preciosidades, que a “agropecuária é um câncer da natureza”. A opinião de Anitta repercutiu tanto que ela até já anunciou que, em breve, irá lançar seu primeiro livro de receitas somente com variações de água de chuva e sopa de pedras.

3) Gleisi Hoffmann – a nossa eterna Narizinho, vencedora do ano passado com sua declaração “Lula livre”, emplacou mais uma pérola histórica ao afirmar que “volta PT é o desejo dos brasileiros para colocar o país no rumo e melhorar a vida da nossa gente”. O tempo passa e ela continua sendo uma candidata fortíssima.

4) Abraham Weintraub – o atual ministro da educação chega forte à disputa com o tuíte: “Os franceses elegeram esse Macrón, porém, nós já elegemos Le Ladrón, que hoje está enjauladón…Ferro no cretino do Macrón, não nos franceses”. O país ficou paraliZado diante de um comentário tão elegante e espirituoso.

5) Dilma Rousseff – a hexacampeã do torneio não poderia ficar de fora. Este ano ela entra no páreo com sua tentativa de criticar a provável privatização dos correios e afirmar que “o governo quer transformá-los em uma grande Amazon”. Quem dera, não é, querida?

6) Marcelo Crivella – foi difícil escolher apenas uma declaração do prefeito do Rio de Janeiro diante de tão vasto repertório. A frustrada tentativa de censura na Bienal, entretanto, conseguiu superar todas as demais. A frase símbolo do ocorrido foi dita pelo chefe da fiscalização da prefeitura encarregada de procurar e recolher qualquer “material impróprio”. Perguntado sobre o que tinha encontrado na Bienal, ele respondeu: “muitos livros”.

7) Glenn Greenwald – o jornalista preferido de onze entre cada dez condenados pela Lava Jato concorre com a seguinte afirmação: “O julgamento de Lula foi produto de um processo cheio de impropriedades e não podemos admitir que ele permaneça em pé. Pelo menos, que Lula tenha um novo julgamento e saia da prisão enquanto esse julgamento transcorre”. Parece que aqui ele terá mais chances de vitória do que no próximo Prêmio Pulitzer.

8) Carlos Bolsonaro – o vereador carioca protagonizou inúmeros momentos de constrangimento ao longo do ano. Sua participação na final foi conquistada graças à sua peculiar forma de escrita que só ele mesmo consegue entender e ao tuíte feito há pouco: “Por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade que almejamos… e se isso acontecer. Só vejo todo dia a roda girando em torno do próprio eixo e os que sempre nos dominaram continuam nos dominando de jeitos diferentes”. O Tonho da Lua reencarnado é um verdadeiro democrata.

9) Eduardo Bolsonaro – o candidato a embaixador concorre com a já histórica frase proferida quando tentava justificar sua indicação: “Já fiz intercâmbio, já fritei hambúrguer lá nos EUA, no frio do Maine, estado que faz divisa com o Canadá”. Se não conseguir a vaga na embaixada americana, zero três promete não perder o posto de funcionário do mês.

10) Jair Bolsonaro – após proferir, em menos de nove meses de governo, centenas de ofensas gratuitas, afirmações constrangedoras, dados incorretos e teorias da conspiração, por pouco nosso presidente não entra na categoria “hors concours”. Entretanto, por decisão unânime de nossos jurados, Jair Bolsonaro chega à final pelo conjunto da obra. Assim cada um fica livre para escolher a frase que mais o tenha feito ansiar por uma afonia crônica, um tratamento de canal ou uma cirurgia de hérnia acompanhados de restrições de fala extremamente duradouras.

Bom voto!

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>