Carta a Bolsonaro…

Bom dia, Jair Messias Bolsonaro, presidente eleito do Brasil. Antes de qualquer coisa, parabéns pela sua vitória. É inegável a grande mobilização popular que você conseguiu em torno do seu nome. Vou me permitir não usar aqui o pronome de tratamento que seu posto agora exige, ok? Afinal, você nunca foi muito afeito a essas formalidades mesmo. Ouvi todos os seus pronunciamentos feitos ontem e gostaria de expor algumas colocações que considero importantes. Não vou tomar muito do seu tempo, pode ficar tranquilo.

Você recebeu o aval de muita gente. Mais de cinquenta e sete milhões de pessoas o vêem como a melhor opção para o país. Eu estou entre elas. Mas meu voto, Bolsonaro, não foi dado por admiração a você e sim em função da minha completa aversão ao seu adversário. O voto de muita gente foi decidido também dessa forma. Eu não fiz propaganda do seu nome, não participei de manifestações ou carreatas, não doei valores para sua campanha e sequer vesti as cores verde e amarelo na hora de votar. O que fiz foi tentar apontar o desastre que seria uma vitória do seu oponente. Portanto, Bolsonaro, lembre-se que, assim como milhões de brasileiros que não votaram em você, eu e outros milhões também não o consideramos o mais preparado dos homens para assumir um cargo desta importância. E aqui vai o meu primeiro e maior pedido a você: surpreenda-nos! Queremos tanto que você acerte, que você consiga se cercar de pessoas verdadeiramente competentes, que você seja capaz de, com o passar do tempo, conquistar também os brasileiros que o rejeitam ou que não confiam em você. O país anseia por isso. Assim, peço-lhe que governe para todos, sem distinções.

O Brasil precisa mais do que nunca de união, Bolsonaro. Não se esqueça disso. Não se esqueça também de que a campanha já terminou e não faz mais sentido continuar alimentando polêmicas. Você será presidente de um país dividido. Sei que você é capaz de adotar um discurso mais moderado, sem deixar de lado as suas características pessoais. Da mesma forma, procure controlar os ânimos de seus aliados, dos seus filhos, daqueles que irão falar em nome do seu governo. Não permita que o sucesso de uma eleição o faça se esquecer de que é apenas uma pessoa a serviço de uma nação. Uma pessoa em quem milhões de outras depositam muita esperança. Mas o cargo não lhe dará carta branca para falar ou agir da forma como bem entender. Você não é um deus, mesmo que alguns de seus seguidores mais radicais o vejam dessa forma. Lembre-se que essa coisa de se achar deus não tem dado muito certo por aqui.

Apesar de não ter ficado muito empolgado com seus discursos ontem, gostei imensamente do que você disse sobre a liberdade. A liberdade é realmente um princípio fundamental em qualquer país, Bolsonaro. E foi muito importante que você tenha ressaltado a liberdade de ir e vir, de empreender, de informar e ter opinião, de fazer escolhas e ser respeitado por elas. Que esse respeito nunca se perca ao longo dos próximos quatro anos. Espero que você faça da liberdade, da honestidade, do respeito e da competência verdadeiros mantras para a sua nova administração.

Por fim, quero apenas lhe desejar toda a sorte do mundo. Os sonhos de milhões de brasileiros estão agora em suas mãos. Não se esqueça jamais disso. Que, em pouco tempo, você seja capaz de conquistar a confiança de um país inteiro, através das suas palavras, mas principalmente através das suas escolhas e atitudes. Quero muito confiar em você, Bolsonaro. Quero muito admirá-lo como homem público, como estadista, como líder de uma nação com uma enorme vontade de crescer e de se tornar mais justa e próspera. Você será nosso presidente. Presidente de todos os brasileiros. Por favor, encare esta oportunidade como a grande missão da sua vida!

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>