Trans formação…

Na fila do caixa do supermercado, pai e filha aguardam sua vez…

- Papai, olha só que moça alta e forte ali de costas no outro caixa.

- Já lhe disse que é feio ficar falando dos outros.

- Mas, pai, ela é muito grande.

- Filha, com certeza aquela moça é, na verdade, um rapaz.

- Um rapaz? Ele está fantasiado de mulher?

- Não é fantasia. É que ele não quer mais ser um rapaz. Ele quer ser uma mulher.

Neste momento, uma jovem que ouvia a conversa não se contém e diz:

- O senhor não tem vergonha de dar uma explicação machista e misógina como essa para sua própria filha?

- Machista e misógina? Que bobagem é essa?

- O que é misógina, papai?

- Depois, filhinha.

- Ela não é um rapaz. Ela nunca foi um rapaz. E também não “quer” ser uma mulher. Ela sempre foi uma mulher guerreira e empoderada que nasceu no corpo errado.

- Pois, que eu saiba, esse corpo errado é masculino, não?

- O que é empoderada, papai?

- Mais tarde, filha.

- Eu tenho nojo de homens como você. Aliás, eu tenho nojo dos homens.

- Olha aqui seu projeto de dirigente da UNE, eu acho que todo mundo deve buscar ser feliz da forma que quiser. Não me interessa se ela é trans, cis ou o escambau. Só respondi a pergunta da minha filha.

- O que é trans, cis e escambau, papai?

- Agora não, querida.

- Nada disso, seu retrógrado filhote da ditadura. Você está tentando implantar no cérebro desta pobre menina conceitos deturpados oriundos de uma sociedade branca, ultrapassada, conservadora, oligarca e patriarcal.

- Pai, o que é oligarca e patr…

- Agora não, já disse!

- Muito pelo contrário, ô cruzamento de Márcia Tiburi com Gleisi Hoffmann. Estou dando à minha filha o direito de pensar por si própria, e não se ater a conceitos ditados pela cartilha do politicamente correto insuportável que tira a liberdade individual de cada um e a coloca nas mãos de um grupinho que dita regras com a mesma facilidade com que defeca em praça pública.

- Discurso de bolsominion, como sempre. Eu sabia. Sei reconhecer um fascista a quilômetros de distância.

- O que é fascista, papai?

- Filha, quantas vezes tenho que diz…

- Rubens? – interrompe a moça grande e forte aproximando-se do incrédulo trio – há quantos anos. Você está ótimo. Que bom te rever. Até a próxima.

A discussão termina e todos se entreolham estupefatos.

- Você conhece o rapaz, papai?

- Verônica – balbucia o pálido pai – minha primeira namorada na adolescência. Ela cresceu, né?

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>